segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Ilustração e música: Zé Vitor Pinheiro


Quando decidi reformular o blog, também decidi começar colocando aqui todos meus amigos que tinham algum talento em especial no mundo das artes, Conheci o Zé de uma forma completamente aleatória, e logo que ele me mostrou suas ilustrações, achei-as muito interessantes e características. 
Ele também compõe música, e tem algumas curiosidades muito legais, me diverti bastante ouvindo e transcrevendo essa entrevista!


Você fez algum curso, ou é auto didata?

"Sou autodidata."

Com qual idade você descobriu sua habilidade, e como você encarou isso?

"Desde pequeno eu gostei de música, eu tinha uma guitarrinha rosa que tocava muito. Porém, aprendi a tocar violão com meus amigos, aos 17 anos. Comecei a compor com 19 anos. Com relação aos desenhos, no meu primeiro ano, as bordas dos meus livros do colégio eram cheias de desenhos, mas comecei a parar para desenhar apenas eles, com mais detalhes, também à partir dos 19 anos."

Qual sua inspiração para criar/escrever?

"Minha inspiração tanto pra desenhar, quanto para compor é minha própria vida. Principalmente para compor, minha vida num sentido que só eu conheço, um lado que algumas vezes só consigo expressar com música. Além de muitas vezes serem situações do cotidiano, as quais eu observo."


Quais são seus planos para o futuro?

"Eu tenho meio que um defeito: eu não faço planos. Meus planos para o futuro são apenas viver. Apenas planejo continuar com meus projetos musicais e desenhando (e aprimorar meus desenhos)."

Quais os materiais que você mais usa?

" Lápis e lápis de cor, canetinha, pincel, tinta guache, e não gosto de aprimorar meus desenhos com programa de computador, realmente gosto de pintar e editar à mão. Para compor uso o violão, costumo escrever e colocar os acordes juntos, não costumo fazer separado."

Como sua família lida com seu dom e seus planos futuro?

" Meus pais não me apoiam em seguir minha carreira como músico, mas eles gostam que eu toque, comum. Minha mãe quer que eu primeiro me forme e coloque a música como segundo plano.
  Em relação`desenho, eles gostam. Já me aconselharam a fazer algum curso, porém preferem que eu siga alguma outra carreira e me estabilize, usando o desenho e música como hobbies."


O que te fez começar a praticar seu dom?

" O que me fez começar a desenhar, foi um episódio que eu estava em um ônibus, e comecei a observar as mesmas pessoas nos mesmos horários, sem expressão. É como se nada mudasse, como se eles não fizessem nada que gostassem, e a vida deles fosse igual. Aí foi meu primeiro desenho, que inclusive comecei um rascunho dentro do ônibus mesmo, e levei para casa, para aprimorar."



Curiosidades:

- "Segundo a minha mãe, meu gosto musical desde sempre foi diferente. Quando eu fazia o jardim 2, eu só ia pra aula se eu levasse minha blusa do mamonas assasinas, e se a professora tocasse alguma música do mamonas assassinas no recreio, senão eu ficava chorando. Eu não lembro, porém minha mãe me contou! hahaha"
- "Eu adoro público, sério. Porém, quando esse público se reduz a duas pessoas, ou a pouca gente, eu fico mais tenso, e com vergonha."
- "Meu primeiro violão, eu comprei só o corpo, e coloquei as outras partes, o nome dela(dele, eu acho que meu violão era gay) era Aristonilda."






Você que também curtiu o Zé, entra nas páginas dele e dá uma curtida: página Zezo , 
Ele tem uma banda chamada "Mustache Folk", aqui tá a página deles e o soundcloud deles 

Aaaaah, logo que conheci Zé, em meados de fevereiro, ele fez um desenho pra mim! Olha que fofo gente!








sábado, 13 de setembro de 2014

Profissão que "dá dinheiro" x Profissão que você gostaria de exercer


Essa semana compartilhei um status no facebook, e acabei sentindo a necessidade de trazê-lo aqui, para vocês leitoras, que não me têm no facebook, lerem.
O tema á bem interessante, e gera polêmica na cabeça de todos(as) principalmente na época do Vestibular, quando aquele velho questionamento  ("E agora, qual curso escolho?") aparece de uma forma marcante, não só na sua cabeça, mas na cabeça de toda sua família, criando uma espécie de complô para forçar sua decisão.


E com isso, vem a indecisão. Digo isso porque eu mesma passei por isso. Nasci e cresci sabendo que iria fazer algo na área das comunicações (queria ser escritora, haha), mas cheguei naquela conhecida "crise da profissão", na qual eu pensava que meu curso não ia dar dinheiro, e migrei em um ano para uma nova ideia: fazer moda.

Dentro da minha família, instalou-se o caos. Meus pais e avós sonhavam com uma neta que apresentasse o jornal do meio dia (sim, eles sempre falavam isso quando o jornal começava) e agora tudo mudou. A profissão de jornalista estava no stand by, e o desejo de se enveredar pelos caminhos da moda, antes um hobby, agora tinha se tornado o desejo por uma profissão. E a primeira reação deles foi: "Mas moda não dá dinheiro, você vai ser o que da vida minha filha?"
Entrei na faculdade particular assim mesmo, dei a cara à tapa, Hoje, depois de me formar, afirmo algo que eu já vinha pensando a séculos: faça o que você gosta.
A pergunta que me fizeram essa semana foi a mesma que eu ouço a dias, meses, anos: "e moda dá dinheiro?"
Respondi indagando a todos qual a profissão que eles queriam exercer. Ao entrar em uma faculdade e  dedicar anos, tempo e  dinheiro (muito, inclusive), sempre bate aquele medinho do retorno financeiro. Mas aqui vai minha dica: Faça o que você gosta, sim, o que você pode até encarar como hobby! Não importa se as pessoas tem preconceito com sua profissão ou seu curso, o que importa é você se sentir bem fazendo, em consequência vem a força de vontade de estudar, e em consequência disso a boa remuneração. Do que adianta entrar em um curso que você não se satisfaz, e não se torna um profissional que gosta de exercer sua profissão?

Como eu disse, só não recebe dinheiro atuando em sua profissão, quem não quer. Independente do curso que for escolhido, ganhar dinheiro vai ser a consequência do seu bom desempenho. Então quer minha dica final? Aproveite a faculdade para correr atrás. Não espere chegar a cadeira de estágio para procurar estágio ou coisas do tipo. Escolha suas cadeiras prediletas, se esforçe mais, traçe uma meta, faça planos, crie seu ponto de chegada e se planeje dentro da sua faculdade, para quando você acabar, já estar atuando na área a algum tempo. 

Sim, com 20 anos e uma faculdade nas costas, voltei para o cursinho e para a paranóia de todos os estudantes aspirantes à uma faculdade pública, o temido enem. E quer saber? Não me arrependo de nada até hoje, porque tenho certeza que com a carga de conhecimento de moda que eu tenho, vou me tornar uma profissional ainda mais qualificada nessa área. Se eu tive medo?Sim, eu tive, mas poxa, até a morte chegar, ainda somos jovens, podemos tentar uma, duas, três, dez vezes. E que depois da faculdade de jornalismo venha psicologia, história da arte, letras, e tudo que eu mais gostar!





Beijos!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Ilustração: Júlia Neves

O Instagram (mega) facilitou a vida de muita gente, né? Eu pelo menos já conheci muita gente legal e com talento de ouro por lá. A Júlia é uma dessas pessoas.

Ela é de Franca, interior de SP, e tem 15 anos. Geralmente, nesse parágrafo,  faço uma leve descrição usando algumas informações que as pessoas me passam, porém dessa vez vou deixar aqui o que ela mesma escreveu sobre si, achei simples e intenso. :)

 " Acho que, em suma, amo sentir. O cheiro do café passado, ver a luz de manhã cedinho, ouvir o barulho de sapatos no assoalho. Não me importa o quê, me importa poder sentir.

Acho que só faço arte porque a amo tanto. Chegou um momento que quis criar a minha própria visão do mundo, e que pudesse reproduzir, nas cores, nos movimentos, tudo que estava dentro de mim. Queria que todo mundo visse que eu também poderia trazer mais beleza, mais delicadeza."




Você fez algum curso, ou é auto didata?

"Meio a meio, fiz mas por pouco tempo."


Com qual idade você descobriu sua habilidade, e como você encarou isso?

"Comecei a desenhar aos 9, 10 anos, fazendo croquis de moda, umas das primeiras inspirações."




Seu curso (faculdade) influenciou no gosto por desenhar e fotografar, ou desenhar influenciou seu gosto pela sua profissão?

"Ainda estudo, curso o segundo colegial, então penso em fazer faculdade no ramo da artes. O intuito agora é fazer Midialogia pra depois fazer Direção de Fotografia."




Você tem planos para o futuro artístico?

"Fotos sobre a vida me inspiram! Como faço fotos e ilustras, uma acaba puxando a outra. Uma apura, delineia, enriquece a outra. São talentos que andam juntos, como um casal, que são pessoas diferentes, mas crescem um ao lado do outro."


Quais os materiais que você mais usa, e qual seu predileto?

"Aquarela e marcadores, essencialmente, mas uso giz pastel-óleo para ilustras menores e grafite para estudos."


Você se inspira em algum artista ou tempo artístico?

"Meu grande amor é o Impressionismo, e qualquer artista advindo dessa época me deixa maravilhada. Monet, Renoir, Pissarro. Mas gosto muito da grunge art, contemporânea (Lora Zombie e Liz Clements)."


Como sua familia lida com seu dom e seus planos futuros com ele?

"Minha família me da o maior apoio que eu poderia pedir, principalmente minha mãe e meu padrasto, com quem moro e sempre amaram arte, como eu."









A um tempo sou encantada por tudo da Jú, e vocês? 
Sigam ela lá no insta: @lostinethiopia



Beijinhos!

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Ilustração: Dhiovana Barroso

A ilustradora que eu trouxe hoje pra vocês é uma das mais fofas que eu conheço: Dhiovana Barroso. Ela é Daqui de Fortaleza, faz Jornalismo na Fic e tem uma página chamada Adivinha Dindi (o nome da pagina é por causa da musica Dindi, do Tom Jobim).

Você fez algum curso, ou é auto didata? Com qual idade você descobriu sua habilidade, e como você encarou isso?

Eu sou auto didata, mas como é sempre bom aprender, fiz um curso de desenho no começo do ano la no Porto Iracema das artes, pra aprender a usar melhor os materiais. Comecei a desenhar tarde, a dois anos atrás, aproximadamente. No começo eu fazia por brincadeira, pros amigos, ai acabei fazendo um tumblr e a coisa ganhou uma nova cara, meus desenhos começaram a rodar por aí e me senti mais liberta, ja que via um retorno do publico, e resolvi levar mais a sério as ilustrações.

 Seu curso (faculdade) influenciou no gosto por desenhar, ou desenhar influenciou seu gosto pela sua profissão? 

Não, eu faço jornalismo por causa de outra paixão: escrever. Tanto é que minhas ilustras sempre tem alguma frase ou poema.

Você tem planos para o futuro artístico?

"Quero continuar o que faço, sempre gostei de tirinhas e quero trabalhar com isso. Quero trabalhar com algo relacionado as artes em geral."


- Qual sua inspiração para criar?

"A maioria dos meus desenhos tem grande influencia dessa nova MPB que despontou a pouco tempo, a musica me inspira bastante, mas o cotidiano tambem me ajuda muito a criar."




Quais os materiais que você mais usa, e qual seu predileto?

"Gosto de usar aquarela, sempre usei, mas de uns tempos pra ca tenho usado giz, de cera, pastel, qualquer giz. Eu adoro as cores."


 Você se inspira em algum artista ou tempo artístico?
"Não me inspiro muito em artistas mas tenho grandes ídolos na arte. Meu maior é Van Gogh, gosto de tudo nele, desde o amarelo e as pinceladas das suas maiores obras à loucura genial dele."







Como sua família lida com seu dom e seus planos futuros com ele? 

"Meus pais apoiam, contanto que não interfira na minha faculdade. Eles tratam meio como um hobby pra mim, mas não é. Eu gosto do que faço e quero continuar."


O que te fez começar a praticar seu dom?


"Lembro que o primeiro desenho que fiz foi uma tirinha pro meu melhor amigo Pedro, o peaug, que é um artista plástico maravilhoso. Na tirinha botei a letra da musica Pedrinho, da Tulipa Ruiz, como um presente pra ele. Daí comecei a fazer mais e mais e não parei."














O que eu acho lindo no traço da Dhi, é a simplicidade que dele, e ao mesmo tempo a forma que ele toca a gente com as palavras que ela mescla!  Se você tem tumblr, segue aí: http://adivinhadindi.tumblr.com/ .




Beijinhos!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Desenho: Ana Rachel Gomes

Hello galera! Depois de uma época distante do blog, gostaria de dizer que finalmente terminei meu TCC, e agora tô voltando aos poucos com o novo formato do blog. Dentro dele, vou trazer entrevistas e o trabalho de uma galera super talentosa que eu conheço, para vocês também se apaixonarem! o/
E a para começar, eu trouxe a telentosíssima aluna de moda Ana Raquel Gomes, de 20 anos, que mora aqui no Ceará. Ela faz desenhos aquarelados com traços marcantes que me encantaram de um jeitinho especial. 
A Quel (íntima, já hahaha) disse na entrevista que, quando criança, costumava desenhar sereias (olha que fofa, gente!) e casas. Me remeteu um pouco a infância também, aquela época que as professoras ensinam a gente a desenhar casinhas e bonequinhos de palito e a gente se achava os maiores desenhistas que existia, hahahaha


Você fez algum curso, ou é auto didata?
 Um pouco dos dois. Eu já costumava desenhar personagens de animes pois sempre gostei muito de mangás e cultura japonesa, mas foi na faculdade de moda que eu fui realmente instruída ao desenho de moda, artístico, e as técnicas de desenho.
Com qual idade você descobriu sua habilidade, e como você encarou isso?
Aos 8  anos idade eu vi uma colega de sala desenhando uma sereia, aquilo me deixou instigada, e pensei “Quero desenhar tão bem quanto ela.” Encarei como um desafio e continuo desenhando até hoje.
Fazer moda, influenciou no gosto por desenhar, ou desenhar influenciou seu gosto por moda? 
Desenhar influenciou meu gosto por moda, gosto de desenhar roupas e modelos.

Você tem planos para o futuro artístico?
Sim, de montar um ateliê, onde eu poderia desenhar, costurar, criar.
Qual sua inspiração para criar seus desenhos?
Eu tenho vários murais de inspiração em frente à minha mesa de desenho, é de lá que tiro minha inspiração, a maioria das vezes, quando não estou desenhando alguém.

Quais os materiais que você mais usa em seus desenhos, e qual seu predileto?
Uso grafite, lápis de cor aquarelado, tinta aquarela, e marcadores. Meu predileto... eu gosto de todos mas acho que o convencional, grafite.
Você se inspira em algum artista ou tempo artístico?
Sim, gosto muito e me inspiro nas ilustrações da Yuko Shimizu.

Como sua família lidar com seu dom e seus planos futuros com ela?
Eles adoram, com relação a planos futuros eles sempre me deram o poder da decisão.



Quem aí também amou o trabalho da Quel? Essas e mais coisas lindas você pode encontrar no insta dela: @rachelatelie , ela trabalha com desenhos e ilustrações sob encomenda (siiim!), então se você tá afim de presentear alguém (ou se presentear) com algo bem diferente, da uma olhada lá!  


Beijinhos!

terça-feira, 29 de julho de 2014

Semiótica Sensitiva

As imagens etão em toda as coisas. Nos outdoors, nas garrafas de refrigerante, na tv, nos jornais, e até na caixinha de grampo de cabelo tem a moça com um rosto retrô e um cabelo curto. Com esse bombardeio de informações diárias, muitas vezes paramos de observar e além de tudo: sentir. Muitas imagens falam palavras silenciosas, e essa é a forma que eu trago a coluna "Semiótica Sensitiva". Aqui eu espero que cada imagem seja observada como algo único, que a essência da foto seja absorvida. Preparadas? haha. 






















E dessa vez, uma música para acompanhar:


Compartilhe aqui: