quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Fotos Jinja Bolsas parte 1

A Jinja Bolsas  é uma loja, aqui em Fortaleza, na qual eu tenho um carinho enorme! Hoje, vocês conferem algumas fotos que fiz para a loja, semana passada.
E semana que vem tem mais fotos!
Ah, e daqui, corre para seguir eles nas redes sociais (e de quebra comprar sua bag online)! 


















E aí, curtiram? Pois espera que semana que vem tem mais!


Beijinhos!

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Artes cênicas: Giovana Henckmaier

Dezesseis anos, e um sonho: Ser atriz. Essa é a Giovana Henckmaier, que mora em Lages - SC e pretende cursar artes cênicas.
Essa semana, a Gih,  é a segunda menina que trago aqui no blog, que escolheu alguma faculdade dentro do mundo das artes. Como será que a família dela recebe isso? Quais são os planos pro futuro dela? Você confere na entrevista abaixo:



Quando surgiu seu interesse pela carreira?

- Eu sonho em ser atriz desde pequena, eu e meus primos fazíamos peças de teatro para a família para conseguir dinheiro pra comprar sorvete e nessas peças eu sempre queria ser a estrela, a principal, decorava tudo rápidinho e tentava interpretar com a maior naturalidade mesmo sendo apenas uma criança. E quanto mais eu crescia mais eu tinha certeza de que era isso que eu queria, sou viciada em filmes e peças de teatro, acho mágico as sensações que ambos podem causar as pessoas, o riso, o choro, a agonia, a tensão, eles nos envolvem e eu quero fazer isso. Quero que as pessoas sintam e vivam o filme ou peça que irei fazer (um dia).

Como seus pais lidam com sua escolha?

- Meus pais super me apoiam na minha decisão, minha mãe é professora de artes então ela gostou que eu fizesse algo do mesmo ramo que ela, quando contei que queria ser atriz, ela disse que eu poderia ser o que eu quiser desde que aquilo me fizesse feliz. E meu pai me apoia, ele quer que eu faça algo que eu goste mas fica com receio porque a faculdade não tem na minha cidade e ele não queria que eu fosse embora daqui.





Quais seus planos para o futuro? 

"Eu estou terminando o terceiro ano e me preparando pro vestibular que está bem perto de acontecer, vou prestar pra duas faculdades de Santa Catarina e espero que eu passe em alguma hahaha. O meu maior objetivo para o futuro seria esse."

Você prefere televisão ou teatro?

" Sinceramente, eu fiquei bem em dúvida em qual responder, eu sou fascinada pela televisão, pelos filmes. Mas quando vou a alguma peça é uma sensação mágica, é ao vivo, você se envolve mais, você vive mais aquela experiência, acho que prefiro teatro."


Curiosidades:

"Não tenho nenhuma amiga que segue ou quer seguir essa profissão, é algo meu mesmo, é um sonho que praticamente nasceu comigo hahaha."



E aí, você se identificou com a Gih, pelo gosto por Artes cênicas? Tá pensando em prestar vestibular e escolher esse curso também? Então vai com tudo!



Beijinhos!

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Poemas e músicas: Emerson Bastos


Um dia (aproximadamente dois meses) eu estava sentada na aula de Biologia, no cursinho, com minha amiga, que estava guardando as coisas para ir embora. Ao fechar um caderno, ela deixa cair um bloquinho amarelo que continha muitos poemas e o nome do autor: "Emerson Bastos". Me encantei pelos poemas e ali começou minha peregrinação para achar e conhecer um pouco mais da arte desse moço.
Depois de algumas cutucadas no facebook, achei o rapaz e ao invés de enchê-lo de perguntas, quis saber da sua história. Foi então que descobri que o mesmo tem 29 anos, é poeta, músico e designer gráfico.


Emerson contou-me que teve seu primeiro contato significativo com a arte através do desenho, ainda criança. Por volta dos anos 90, o mesmo tinha 14 anos e começou a ouvir os clássicos do pop rock nacional.

" No meu aniversário de 15 anos ganhei um violão e aprendi a tocar observando meus amigos do colégio que já tocavam e com revistas de música cifrada. Ainda com 15 anos formei com amigos de sala uma banda de rock para participar de um festival de artes da rede pública de educação de Fortaleza. Eu era o vocalista. Não passamos da segunda fase do festival mas demos continuidade a banda que, em meio a mudanças de formação e nome, ainda durou 6 anos."

Com o fim da banda, ele aumentou seu ritmo de leitura, se interessando principalmente por poesia, contos e crônicas de autores brasileiros. Aos 22 anos começou a escrever suas poesias, as quais escreve até hoje. Seu interesse por trabalhar com música voltou a surgir no final de 2013.

" Não sei exatamente como foi. Acho que apenas acordei com vontade de ser músico."




E como gravar um CD, quando os custos são altos? Foi quando ele teve uma ideia, que como o mesmo diz "inspirada nos antigos poetas da Praça do Ferreira e da Beira Mar": vender livretos pelos bares e ruas da Praia de Iracema. 

" comecei, em janeiro deste ano, a publicar meus poemas numa série de livretos chamada retratoS de dentrO de miM. A ideia é pagar a gravação do CD que se chamará relacionamentoS afetivoS romanticamentE políticoS com a venda dos livretos." 

Uma ideia criativa, que com certeza esta ajudando-o a juntar dinheiro e ainda o proporcionando conhecer muita gente!

"Pretendo, assim que o CD estiver pronto, formar uma banda para me acompanhar nos shows e explorar ao máximo as possibilidades de tocar por aí."

E essa foi minha míni entrevista com esse artista, que ainda vai bombar muito, Emerson Bastos!










Curtiu a história e os poemas do Emerson? Então entra no site dele para ver mais e de quebra ouvir um pouco do seu trabalho: http://www.emersonbastos.com/


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Música: Débora Mavignier

Lembra que semana passada eu falei que iria diversificar um pouco os posts? Então hoje eu trouxe a Débora Mavignier, ela tem 20 anos, toca violão clássico, é estudante de música da Universidade Federal da Bahia (mora em Salvador, porém é daqui) e gosta muito de moda!
Eu trouxe a Débs aqui pro blog, porque acho bem interessante esse (e outros) cursos que envolvem o que muitas vezes as pessoas vêem como hobbie. Achei muito legal a escolha dela, e tenho certeza que muita gente ao redor do país gostaria de saber como funciona uma faculdade de música, ou entender o que chama atenção das pessoas que escolhem fazê-la.


Como surgiu seu interesse por música e como foi parar na Universidade de Bacharelado em violão?

"Bom, tudo começou praticamente assim.... Quando eu e meu irmão eramos adolescentes acho que eu com 11 e ele 12 anos nossos pais sempre nos levavam nos fins de semana pra almoçar na casa da minha vó. Meu "vodrasto" (não sei se é assim que se escreve) marido da minha vó toca violão e sempre tocava música popular brasileira pra gente e ele nos ensinou os primeiros acordes, tudo na brincadeira e só pra passar o tempo. Meu pai comprou um violão pra gente e nosso interesse cresceu muito então logo minha mãe nos matriculou na aula de violão pra iniciantes em uma escola de música. Os anos foram se passando e meu irmão (gato, lindo e inteligente) foi pro caminho da guitarra e até hoje toca na igreja por sinal muito bem. Já eu com 14 anos ingressei no Conservatório de Música Alberto Nepomuceno no curso de violão erudito onde tive contato e pude conhecer a técnica e repertório avançado pra violão. Quando chegou minha época de fazer vestibular no final de 2011 fiz pra Licenciatura em música na UECE onde cursei três semestres. Tive professores bons e aprendi muito sobre música mas desde que coloquei o pé no primeiro dia de aula sabia que lá não era meu lugar. Viajando e tocando em Festivais de música erudita conheci pessoas e descobri que bem pertinho de Fortaleza tinha Salvador com um curso de música íncrivel e com professores tops. Começei a pesquisar e bolar um plano "milagroso e ímpossivel" pra colocar a viola debaixo do braço e ir morar sozinha em outro estado pra estudar música e claro lutar pelo meu sonho."



Como sua família lidou com sua escolha do vestibular e sua saída de casa?

"Então.... rsrsr Com relação a minha escolha no vestibular foi mais ou menos isso: meus pais são engenheiros e meu irmão esta quase se formando em engenharia na UNIFOR rsrsrs ou seja, era pra eu estar no mesmo caminho certo? rsrsr Mas gente! Eu sempre fui um desastre em física e detestava matemática na escola! Sempre soube que o que ia me fazer feliz era ta no meio das artes. Meus pais me apoiaram no Conservatório e bancaram várias viagens que fiz pra tocar e ter aulas etc, mas ao mesmo tempo sempre davam indiretas de engenharia ou arquitetura pra mim, eles achavam que música era uma coisa que ia ficar como hobby ou ia passar rsrsr  Aconteceu que o violão virou extensão do meu corpo, motivo de felicidade e satisfação pessoal. Quando viajo e não posso levar o violão comigo me invade o sentimento de que me falta alguma coisa. Cada louco com sua mania né? Quando decidi que ia trancar a UECE e me mudar pra Bahia pra estudar violão foi uma luta dentro de casa. Pois venho de uma família MUITO protetora e que sempre me trataram como nenem kkkk Então foi um assunto que eu tive que insistir muito pois o Brasil é um país que os jovens não tem cultura de sair de casa cedo, na maioria das vezes só quando casam. Em Salvador não tenho família, não conhecia ninguém e nem tinha vindo ainda na cidade ou seja era uma aventura mesmo que eu queria encarar!  Quando fiz 18 anos vim conhecer a Bahia e assistir aulas na UFBA como ouvinte pra conhecer mais e saber se era isso que eu queria mesmo. Resultado: amei, fiz a cabeça de meus pais e depois de 6 meses voltei pra Bahia de "mala e cuia" pra morar. "

Quais seus planos pro futuro e quais suas inspirações violonisticas??

"Então. Música é um curso que no Brasil a sociedade olha com bastante preconceito e acha que não tem o menor futuro financeiro. Mas na verdade existem vários caminhos e opções pra quem quer viver de música. No meu caso escolhi a carreira academica, ou seja, vou terminar minha graduação, fazer um mestrado e ensinar em alguma instituição (Universidade ou Conservatório). É muito comum as pessoas não conhecerem sobre violão e música instrumental por aí e sempre escuto perguntas como: o que é violão clássico? ou você canta também? rsr Pra explicar melhor o que seria esse estilo que eu toco rsr vou deixar aqui embaixo alguns videos de artistas que gosto muito e pessoas que me inspiram ...
Guitar top 5
01. Yamandú Costa: http://www.youtube.com/watch?v=ij0R_TbXMnc
02.Marcin Dylla s2s2s2s2: http://www.youtube.com/watch?v=BjmWCqAZRpM
03. Mario Ulloa (meu professor aqui na UFBA): http://www.youtube.com/watch?v=XZqVrkaVJMo

04.Gabriel Bianco: http://www.youtube.com/watch?v=RGwvXCYgiuU
05.Kyuhee Park: http://www.youtube.com/watch?v=fU-RJD9qRlU "




E aí, curtiu a história da Debs? 
Pois fica ligadinho que essa semana tem mais!



Beijinho!

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Fotos para o Studio Bez

Depois de semanas sem um look da semana, de certa forma, pode-se considerar esse quase um look da semana!
A super fofa Sayara Bezerra está começando um projeto de fotografia, o Studio Bez. A partir daí ela me perguntou se eu topava fazer algumas fotos, em uma tarde super tranquila no Cocó! A maquiagem ficou por conta da Profissional Anna Karine Barbosa.
Fui super empolgada, e o resultado ficou incrível! Abaixo vocês conferem:













Comentando um pouco sobre o look, posso dizer que escolhi um vestido pela questão de ser bem feminino! Esse vestido floral foi praticamente um achado dos camelôs do centro aqui de Fortaleza, por um preço incrível (Sim!!!)! Haha

E para não perder o costume, vou terminar com uma música!

Vocês curtiram as fotos? Então não esqueçam de curtir o Studio Bez






Beijinhos!

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Ilustração: Ivnny Prazeres

 A ilustradora de hoje é super fofa, e também a conheci pelo instagram. Ivinny Prazeres tem 18 anos e é de São Luís – MA, porém mora em Fortaleza a uns 10 anos. Ela cursa Arquitetura e Urbanismo na Unifor, e acabou tendo o desenho como um hobby por ser uma pessoa caseira!

A Ivy tem algumas curiosidades legais, como amar fotografia, música, e é apaixonada por comida japonesa (e não só pela comida, mas também pela cultura). Ela também adora séries e animes!




Você fez algum curso, ou é auto didata?

"Olha, eu mentiria se dissesse que sou autodidata, pois eu aprendi a desenhar com o meu pai. Mas, ele me ensinou mais o ''básico'', como pintar, fazer uns traços aqui e ali, porque ele tinha muito pouco tempo pra ficar horas e horas ensinando a mim e a minha irmã a desenhar. Então, com o tempo eu fui me virando. Olhava e ainda olho na internet ou em alguns livros que tenho aqui em casa sobre desenho, e estudo sobre. Fico horas e horas treinando. Eu nunca fiz nenhum curso ou algo do gênero, mas não posso negar que tenho muita vontade de fazer um desses cursos de desenho, seja qual for, porque eu acredito que é sempre muito bom você procurar investir em você mesmo, você procurar sempre melhorar em algo ainda mais, com a ajuda de alguém que entende muito mais de desenho do que você. Todo mundo deveria fazer isso, não só em relação ao desenho, claro. Mas, eu sempre to de olho pra saber se tem algum curso que abriu. A única coisa que me atrapalha no momento é o tempo, eu preciso me organizar."


 Com qual idade você descobriu sua habilidade, e como você encarou isso? 

"Como eu disse eu não autodidata, quem dera. Mas, quando eu era mais nova, não me lembro ao certo, mas desde muito cedo, eu gostava de ter por perto muitos papeis e lápis de cor. Rabisquei algumas muitas vezes a parede de casa, e também já gastei alguns muito papeis só com essa brincadeirinha de rabiscar ali e aqui. Todo fim de semana o meu pai reunia eu e minha irmã aqui em casa e nós passávamos a tarde desenhando. Eram horas e horas gastas nisso. Era tão bom, porque como o papai era muito ocupado, era o momento ideal pra gente tá ali com ele. E foi com ele que eu aprendi a tomar gosto por tudo que se refere a arte, de um modo geral. Ele tinha vários livrinhos com pinturas e desenhos que ele mesmo rabiscava e pintava, e o meu sonho era saber fazer tudo aquilo que ele fazia e saber utilizar os materiais que ele tinha, que eram os mais variados possíveis e que eu sempre pegava escondido pra usar depois, haha."

Seu curso (faculdade) influenciou no gosto por desenhar, ou desenhar influenciou seu gosto pela sua 
profissão? 

"Na verdade, o amor, se assim eu posso dizer, que eu tenho pelo desenho e pela arte, é que me levou a cursar Arquitetura e Urbanismo. Até então, eu tinha muito medo de cursar arquitetura por que, algumas muitas pessoas colocaram na minha cabeça que esse curso não dá dinheiro, é difícil, tem a tal da matemática, na qual eu sempre tive um pouquinho de dificuldade devo admitir, e com isso eu acabei tendo a brilhante ideia de ir cursar Direito na Unifor. Mas, é como dizem: ''Faça o que você ama, ame o que faz.'' Não me arrependo de ter mudado de curso e tenho certeza que futuramente me tornaria uma profissional frustrada. A gente não deve pensar apenas no retorno financeiro, mas sim, se aquilo é bom pra mim e se eu me sinto feliz ali, independente do que os outros achem sobre."

Você tem planos para o futuro artístico?

"Sim, sim! Eu tenho muitos planos e quero até procurar envolver o meu curso nisso. Mas atualmente, eu estou por conta própria tentando me aperfeiçoar. Por isso, há umas 2 ou 3 semanas atras, eu criei um laboratório chamado ''Traços'', no qual funciona da seguinte forma: através de pedidos, as pessoas entram em contato comigo e me pedem pra fazer desenhos sobre quaisquer coisas. Mas, eu tenho como objetivo aperfeiçoar os meus rabiscos em relação as pessoas. Sim, se tem uma coisa que eu sou péssima é em desenhar os traços das pessoas. Eu não pretendo desenhar um auto retrato, até porque não tenho muita fé que sozinha eu consiga, eu precisarei de aulas certeza. Mas, até lá a gente vai tentando, no caso, são auto retratos mais artísticos. E futuramente eu gostaria também de me vincular a projetos com algumas pessoas e a lojas, no caso, deixar algumas de minhas criações estampadas em algum lugar, sejam objetos ou ate mesmo em roupas (paredes também vale). Criações nas quais eu ainda começarei também a pôr em prática."




Qual sua inspiração para criar?

"Minha inspiração está em tudo aquilo que esteja ao meu alcance. Eu me inspiro muito em fotografias, músicas, filmes, comida (sim até nisso eu me inspiro), poemas que eu leio ou que eu mesma as vezes crio, desenhos de outras pessoas, as próprias pessoas e tenho até alguns desenhos que são inspirados em sonhos que eu tenho."

Quais os materiais que você mais usa, e qual seu predileto?

"Eu sou meio indecisa, devo admitir. Tem horas que eu amo desenhar com lapiseira, mas tem horas que o lápis acaba me sendo muito mais útil. Papel, lápis, lapiseiras, canetas pretas, algumas stabilos, canetinhas coloridas e lápis de cor são os que eu mais uso, nada muito profissional a não ser as canetas de desenho e os lápis. Mas, dentre todos esses materiais, se tem uma coisa que nunca pode faltar na minha mesa e principalmente nos meus desenhos, é a aquarela. Muitos dos desenhos que eu tenho feito agora, são aquarelados. Eu acho a aquarela linda e prática e, eu acho muito gostoso você sair lambuzando tudo. É um costume meio feio meu, mas eu sujo tudo, tá quase tudo."




Você se inspira em algum artista ou tempo artístico?

"Eu procuro ter inspirações que vem assim, tipo ''coisa do momento'' sabe? Eu me baseio em muito do que vejo, não importando quem seja o artista ou o tempo artístico."

Como sua familia lida com seu dom e seus planos futuros com ele?

"Eu voltei a desenhar mesmo, mesmo tem uns dois anos. Que até então, eu não tinha muito o  interesse em desenho ou se desenhava, era muito pouco. Por algum motivo, que eu não me recordo, eu acabei deixando o desenho de lado.  Agora não, todo dia eu faço uns dois desenhos por dia, só pra não perder o costume. E minha família acha maravilhoso eu ter o desenho como um hobby e eles me apoiam pro que eu tiver em mente e que esteja vinculado com a arte de um modo geral. E eles acharam tão bons os meus desenhos, que foi através deles que eu consegui convence-los a enfim, cursar arquitetura, que como todo pai e mãe, se você não cursa medicina, partiu cursar direito ou quem sabe, alguma engenharia da vida."

O que te fez começar a praticar seu dom?

"Há mais ou menos uns 5 ou 6 anos atrás, eu diria que eu passei por situações complicadas e que me afetaram muito. Seja em relação a família ou em relação a algumas amizades. E, essas coisas me entristeciam, me frustravam e foi no desenho que eu me encontrei, que eu achei meu ''ponto de fuga''. Isso me ajudava e ainda sim, me ajuda a espairecer, a relaxar e a transparecer o que eu sinto. Eu sou uma pessoa muito transparente, é fácil hoje você saber se algo me incomoda, me deixa mal ou se eu estou triste. Mas, a alguns anos atrás, isso não era tão fácil. Eu era fechada e insegura, fora que eu era muito tímida, então daí você tira, e os problemas que eu tive não ajudavam. Por isso, eu acredito que o desenho me ajudou a colocar as coisas no seu devido lugar'.








E aí, vocês curtiram os desenhos da Ivy? Então sigam ela no instagram clicando aqui .




Beijinhos!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Ilustração e música: Zé Vitor Pinheiro


Quando decidi reformular o blog, também decidi começar colocando aqui todos meus amigos que tinham algum talento em especial no mundo das artes, Conheci o Zé de uma forma completamente aleatória, e logo que ele me mostrou suas ilustrações, achei-as muito interessantes e características. 
Ele também compõe música, e tem algumas curiosidades muito legais, me diverti bastante ouvindo e transcrevendo essa entrevista!


Você fez algum curso, ou é auto didata?

"Sou autodidata."

Com qual idade você descobriu sua habilidade, e como você encarou isso?

"Desde pequeno eu gostei de música, eu tinha uma guitarrinha rosa que tocava muito. Porém, aprendi a tocar violão com meus amigos, aos 17 anos. Comecei a compor com 19 anos. Com relação aos desenhos, no meu primeiro ano, as bordas dos meus livros do colégio eram cheias de desenhos, mas comecei a parar para desenhar apenas eles, com mais detalhes, também à partir dos 19 anos."

Qual sua inspiração para criar/escrever?

"Minha inspiração tanto pra desenhar, quanto para compor é minha própria vida. Principalmente para compor, minha vida num sentido que só eu conheço, um lado que algumas vezes só consigo expressar com música. Além de muitas vezes serem situações do cotidiano, as quais eu observo."


Quais são seus planos para o futuro?

"Eu tenho meio que um defeito: eu não faço planos. Meus planos para o futuro são apenas viver. Apenas planejo continuar com meus projetos musicais e desenhando (e aprimorar meus desenhos)."

Quais os materiais que você mais usa?

" Lápis e lápis de cor, canetinha, pincel, tinta guache, e não gosto de aprimorar meus desenhos com programa de computador, realmente gosto de pintar e editar à mão. Para compor uso o violão, costumo escrever e colocar os acordes juntos, não costumo fazer separado."

Como sua família lida com seu dom e seus planos futuro?

" Meus pais não me apoiam em seguir minha carreira como músico, mas eles gostam que eu toque, comum. Minha mãe quer que eu primeiro me forme e coloque a música como segundo plano.
  Em relação`desenho, eles gostam. Já me aconselharam a fazer algum curso, porém preferem que eu siga alguma outra carreira e me estabilize, usando o desenho e música como hobbies."


O que te fez começar a praticar seu dom?

" O que me fez começar a desenhar, foi um episódio que eu estava em um ônibus, e comecei a observar as mesmas pessoas nos mesmos horários, sem expressão. É como se nada mudasse, como se eles não fizessem nada que gostassem, e a vida deles fosse igual. Aí foi meu primeiro desenho, que inclusive comecei um rascunho dentro do ônibus mesmo, e levei para casa, para aprimorar."



Curiosidades:

- "Segundo a minha mãe, meu gosto musical desde sempre foi diferente. Quando eu fazia o jardim 2, eu só ia pra aula se eu levasse minha blusa do mamonas assasinas, e se a professora tocasse alguma música do mamonas assassinas no recreio, senão eu ficava chorando. Eu não lembro, porém minha mãe me contou! hahaha"
- "Eu adoro público, sério. Porém, quando esse público se reduz a duas pessoas, ou a pouca gente, eu fico mais tenso, e com vergonha."
- "Meu primeiro violão, eu comprei só o corpo, e coloquei as outras partes, o nome dela(dele, eu acho que meu violão era gay) era Aristonilda."






Você que também curtiu o Zé, entra nas páginas dele e dá uma curtida: página Zezo , 
Ele tem uma banda chamada "Mustache Folk", aqui tá a página deles e o soundcloud deles 

Aaaaah, logo que conheci Zé, em meados de fevereiro, ele fez um desenho pra mim! Olha que fofo gente!








Compartilhe aqui: